Com greve dos caminhoneiros, governo descobre novo sindicalismo de internet

Jungmann defende que governo, empresários e líderes dos sindicatos tradicionais terão que repensar sua forma de atuação diante desse novo quadro. O ministro da Segurança Pública cita que passarão a ser levados em conta 2 pontos:

Banner na materia inicio  816 x90

novos líderes – surgirão, com a internet, durante o processo de negociação;

novo perfil – esses líderes não têm histórico, não são treinados na negociação sindical e podem não se submeter aos acordos fechados pelos líderes tradicionais.

ERRO DO GOVERNO

Em suas conversas com o Planalto, Raul Jungmann admitiu que, “se houve algum erro” da área de inteligência e segurança do governo, foi não ter detectado esse novo sindicalismo em rede com seu novo tipo de líderes.

Uma das principais lições que o governo acredita ter tirado da greve é que, daqui para a frente, as negociações com líderes sindicais tradicionais terão que ser acompanhadas, passo a passo, pelos seus reflexos nas redes sociais, detectando o que dizem os novos líderes criados pelo próprio movimento na internet.

O escritor e linguista italiano Umberto Eco, morto em 2016, deixou entre suas frases célebres uma outra lição que bem poderia servir de alerta:

“As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Dizia-se imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que 1 ganhador do Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.

Do Poder360


Todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do seu autor e em nada tem a participação do site RO24HORAS
Loading...