Suicídio aumenta no Brasil: são 31 casos por dia

Taxa de mortalidade subiu 16,8% de 2007 a 2016 e é maior entre homens; desemprego é apontado como um dos fatores

Banner na materia inicio  816 x90

BRASÍLIA – O Brasil registrou um aumento de 16,8% na taxa de mortalidade por suicídio entre 2007 e 2016. Dados divulgados nesta quinta-feira, 20, pelo Ministério da Saúde mostram que, no ano mais recente da série, ocorreram 5,8 óbitos a cada 100 mil habitantes. Em 2007, a proporção era de 4,9. O crescimento está relacionado sobretudo ao aumento de casos entre homens. No período analisado, foi de 28%.

Ao todo, foram registrados, em 2016, 11.433 casos de pessoas que tiraram a própria vida no País. Isso equivale a 31 óbitos por dia. A estimativa, no entanto, é de que os números sejam ainda maiores.

“Consideramos que cerca de 20% das mortes não têm a causa registrada”, afirma a diretora de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, Fátima Marinho.

O trabalho conduzido por Fátima mostra que a taxa de mortalidade é expressivamente maior entre homens: 9,2 casos por mil habitantes. No grupo feminino, a taxa é de 2,4. Embora as taxas de morte sejam superiores entre homens, indicadores de tentativa de suicídio são maiores entre as mulheres.

Para Fátima, a diferença pode ser um indicativo de que as mulheres muitas vezes buscam com o ato chamar a atenção para o sofrimento, não necessariamente morrer.

“E isso geralmente por questões familiares. Muitas são chefes de família e sabem o impacto que a morte poderia provocar para filhos.”

Fátima afirma que a meta agora é aprofundar os estudos sobre os fatores de risco para o suicídio. Avaliações preliminares já dão pistas importantes. Um deles é o desemprego. Na análise dos casos de tentativas, cerca de 40% dos casos não trazem a informação sobre a situação profissional da vítima. Mas nos casos em que o registro é feito, 52% indicavam que a pessoa estava desempregada.

“Ele desponta como fator associado. Também vemos que as mulheres vítimas de violência têm risco muito maior”, completa.

Para a diretora, isso explicaria, por exemplo, o fato de um grande número de meninas tentarem suicídio. “Temos casos de tentativas em faixas muito novas, de meninas com 12 anos.”

Fátima afirma que o suicídio é um problema de saúde pública, não apenas no Brasil como no mundo. “Isso traz a necessidade de discutirmos o tema, os vários determinantes que levam ao sofrimento na população.”

Ela observa ainda que os dados devem ser analisados de forma a traçar estratégias de prevenção. “Precisamos ver as ações que podem ser adotadas para prevenir novos casos”, diz.

Prevenção
Estudos mostram, por exemplo, que a existência de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) são considerados como fator de proteção. Em locais onde o centro está em funcionamento, o risco de suicídio é 14% menor. A constatação é relevante, sobretudo quando se analisam também os gastos do Sistema Único de Saúde (SUS) com internação de pessoas que tentaram suicídio por meio da ingestão de medicamentos, venenos ou pesticidas. O SUS gasta em média R$ 3 milhões anuais para essa assistência. O valor é equivalente ao custo de implantação de custeio de 8 CAPS anuais.

“Seria uma forma de prevenção muito efetiva”, observa Fátima.

Apesar de já haver tal constatação, a análise dos dados mostra que não houve um aumento da implantação de CAPS em áreas onde as taxas de suicídio aumentaram. No Piauí, por exemplo, um Estado que chama a atenção pelo avanço do problema não teve nenhum novo CAPS implantado dentro da política de expansão. Questionado, o coordenador do programa de Saúde Mental, Quirino Cordeiro, afirmou que a instalação depende de solicitação dos Estados.

O coordenador deixou claro ainda que deverá haver um aumento de vagas para leitos psiquiátricos em hospitais gerais. A medida, de acordo com ele, seria importante para atender pacientes em situação de risco.

Segundo Cordeiro, o País é o que apresenta uma das menores taxas de leitos para urgências psiquiátricas: 0,3 para cada mil habitantes.

“Isso sabidamente aumenta os riscos”, disse. Ele, no entanto, afirmou não haver ainda uma meta específica.

Fátima, contudo, tem avaliação distinta. Ela afirmou que a maior parte dos pacientes que tentaram suicídio precisam de tratamento médico, não necessariamente uma internação em leitos psiquiátrico, e que doenças psiquiátricas anteriores têm pouca relevância sobre os fatores de risco para o suicídio.

 

Como ajudar pessoa sob risco de suicídio
Metrópole Estadão
Created By Metrópole Estadão
  • Converse
    Ouça a pessoa com mente aberta e sem julgamento. Você também pode indicar a linha para apoio emocional (188)

  • Acompanhe
    Fique em contato para acompanhar como a pessoa está se sentindo e o que está fazendo

  • Busque ajuda profissional
    Incentive a pessoa a procurar ajudar profissional e se ofereça a acompanhá-la a um atendimento em Unidade Básica de Saúde, CAPs ou serviços de emergência

  • Proteja
    Se há perigo imediato, não a deixe sozinha e certifique-se de que a pessoa não tenha acesso a meios para provocar a própria morte (pesticidas, armas de fogo, medicamentos

     

Lígia Formenti

Estadão


Todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do seu autor e em nada tem a participação do site RO24HORAS
Loading...