POLÍCIA INDICIA QUATRO DA MESMA FAMÍLIA POR TENTATIVA DE ASSASSINATO EM VILHENA

Crime foi motivado por vingança, aponta polícia.

Banner na materia inicio  816 x90

Polícia Civil de Vilhena indicia quatro homens envolvidos na tentativa de assassinato do prestador de serviços gerais Adão Carlos Ribeiro, de 39 anos. O inquérito foi concluído essa semana pelo delegado Nubio Lopes de Oliveira, os acusados Paulo Morais Neves, Nilton César Ribeiro Neves, Raphael Ranmses Joás Neves e Manasses Ribeiro Neves irão responder por homicídio tentado privilegiado, entenda aqui.

Adão foi espancado em uma via pública do setor Alto Alegre na madrugada do dia 5 de outubro deste ano, em Vilhena, e teve parte do crânio esmagado por um bloco de concreto. Segundo a polícia, a vítima estava imobilizada no solo quando Paulo Morais jogou de uma altura aproximada de um metro o bloco de cimento sobre a cabeça do homem. Adão foi levado em estado grave ao Hospital Regional e depois transferido para Cacoal e sobreviveu.  Os quatro indiciados irão responder ao processo em liberdade.

Vingança

O crime praticado contra o trabalhador de serviços gerais foi motivado por vingança. Os investigadores da Polícia Civil apuraram que por volta das 20h40 do dia 4 de outubro, aproximadamente quatro horas antes de sofrer o atentado, Adão esteve no bar Itaúba, localizado na rua 908, esquina com a avenida Paraná, e após uma briga esfaqueou e matou Oziel Ribeiro Neves, 40 anos, parente dos agressores. “Dos quatro indiciados três são irmãos do Oziel e um é sobrinho”, frisa o delegado Oliveira.

A faca usada no crime foi encontrada pela polícia em uma rua que fica próxima do bar.

A caçada

Nas horas que sucederam à morte de Oziel os parentes dele deram início à caçada. Adão foi procurado em sua casa. Os quatros homens estiveram lá e invadiram o imóvel depois de arrombar a porta, porém, Adão conseguiu correr para a rua até que foi alcançado e espancado.

Segundo a polícia, a identificação dos agressores foi possível devido a duas situações: a primeira é que os acusados estiveram no bar na noite do dia 4 e disseram para várias pessoas que matariam o responsável pela morte de Oziel, e, os investigadores tiveram acesso a imagens de câmeras de segurança que mostram os quatro suspeitos atacando a vítima.

Fugiu do hospital

Adão recebeu voz de prisão pela morte de Oziel ainda em um leito do Hospital Regional em Vilhena, mas como seu quadro era grave a equipe médica decidiu transferi-lo para a unidade EURO em Cacoal. Lá, Adão ficou internado até sua recuperação e sumiu do hospital após receber alta. Ele tem prisão preventiva decretada e está foragido da Justiça.

 

 

Por Renato Spagnol
Do Vilhena notícias

Todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do seu autor e em nada tem a participação do site RO24HORAS
Loading...