Membros da PGR e do STF enfatizam que apenas judiciário pode destruir provas

Banner na materia inicio  816 x90

Diante da possibilidade de destruição das provas, ou supostas provas, encontradas em poder dos “hackers” presos pela Polícia Federal, acusados de invadirem as comunicações de autoridades, um importante membro da Procuradoria Geral da República e um ministro do Supremo Tribunal Federal se manifestaram com indignação: só o judiciário pode destruir provas.

Na quinta-feira pela manhã, o ministro Marco Aurélio Melo, do STF, lembrou que qualquer uso das provas deve passar pelo crivo do Judiciário.

O vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, afirmou ontem à noite: “quem decide o futuro das provas é o Judiciário”.

A afirmação é uma reação direta a comentários de Sergio Moro, de que as provas seriam descartadas.

Após esses comentários, que produziram imediato mal estar em diversas autoridades, a própria PF divulgou que, “caberá à justiça, em momento oportuno, definir o destino do material, sendo a destruição uma das opções”.

Maia afirmou, ao Estadão, que “as atribuições de Ministro da Justiça, como autoridade sob a qual o Departamento de Polícia Federal está vinculada e subordinada quanto às orientações de política pública, não significam poder de interferência na presidência da investigação”. E completou:

“Quem decide o futuro das provas é o Judiciário”.

Do O Cafezinho


Todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do seu autor e em nada tem a participação do site RO24HORAS
Loading...