Pressão de policiais sobre Bolsonaro coloca a reforma da Previdência em risco

Banner na materia inicio  816 x90

O líder do PL, deputado Wellington Roberto, acaba de dizer ao blog que não vai retirar o destaque do partido em favor de uma idade mínima mais baixa para a aposentadoria de professores. O líder do PSD, Domingos Neto, também não retira o que se refere aos guardas civis.

As declarações vieram depois que o governo, pressionado pelos policiais, entrou no circuito para amenizar a reforma para os policiais que chamaram o presidente de “traidor” na manifestação de ontem — a categoria é objeto do pedido de destaque do PSL, partido do presidente cuja parte da bancada manifestava-se ontem contra a reforma.

Até ontem, falava-se num acordo dos partidos patrocinado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para retirada dos pedidos de destaque. A disposição do governo e do PSL tiraram de Maia o moral para pedir aos partidos de centro que retirem seus destaques, a fim de acelerar a votação da reforma ainda hoje.

Se continuar desse jeito, a economia de R$ 1 trilhão vai minguar. Por isso, o dia será de intensa negociação entre os partidos e o governo para fechar um acordo. A preços desta tarde, a reforma está sob risco de ter a votação adiada e gerar uma economia bem menor do que a prevista por Paulo Guedes ou pelo relator, Samuel Moreira.

Por Denise Rothenburg


Todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do seu autor e em nada tem a participação do site RO24HORAS
Loading...