Maia diz que ‘cabe às instituições democráticas impor ordem legal ao grupo que confunde política com terror’

Banner na materia inicio  816 x90

Presidente da Câmara criticou ato com pauta antidemocrática e inconstitucional em Brasília com participação de Bolsonaro. ‘Lutamos contra o coronavírus e o vírus do extremismo’, diz Maia.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou neste domingo (3) o ato com pautas antidemocráticas e inconstitucionais realizado na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, com participação do presidente Jair Bolsonaro.

Em uma rede social, Maia disse que caberá “às instituições democráticas” impor o que chama de “ordem legal”. O deputado falou em “vírus do extremismo” e manifestou solidariedade a jornalistas e profissionais de saúde agredidos ao longo do fim de semana por apoiadores do governo.

“Ontem enfermeiras ameaçadas. Hoje jornalistas agredidos. Amanhã qualquer um que se opõe à visão de mundo deles. Cabe às instituições democráticas impor a ordem legal a esse grupo que confunde fazer política com tocar o terror. Minha solidariedade aos jornalistas e profissionais de saúde agredidos. Que a Justiça seja célere para punir esses criminosos”, publicou.


“No Brasil, infelizmente, lutamos contra o coronavírus e o vírus do extremismo, cujo pior efeito é ignorar a ciência e negar a realidade. O caminho será mais duro, mas a democracia e os brasileiros que querem paz vencerão.”


Maia foi um dos alvos do protesto, que também pediu a saída do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e criticou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

O protesto contra o STF e o Congresso ataca dois pilares do sistema democrático, o que torna fora da lei os pedidos de fechamento. Os atos também criticaram o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Faixas pediam o fechamento do STF e “intervenção militar com Bolsonaro”, o que é considerado apologia contra a democracia e, portanto, ilegal e inconstitucional.

Manifestantes em ato pró-Bolsonaro exibe faixa contra presidente da Câmara, Rodrigo Maia — Foto: TV Globo/Reprodução

Reações
Além de Maia, juristas, políticos e entidades repudiaram as agressões à imprensa e as pautas antidemocráticas e inconstitucionais do protesto.

“É inaceitável, é inexplicável que ainda tenhamos cidadãos que não entenderam que o papel de um profissional da imprensa é o papel que garante, a cada um de nós, poder ser livre”, disse a ministra do STF Cármen Lúcia.

“Jornalistas são agredidos, são assassinados, são o tempo todo mutilados nas suas funções, exatamente porque, ao oferecer as informações precisas que são necessárias para a informação de cada cidadão, para a responsabilidade da cidadania, para que cada um de nós possa ter acesso, a partir dessas informações, aos seus direitos e aos seus deveres.”

“A agressão a cada jornalista é agressão à liberdade de expressão e agressão à própria democracia. Isso precisa ficar bem claro e tem que ser claramente repudiado”, afirmou o ministro do STF Gilmar Mendes.

Fotógrafo Dida Sampaio é agredido por simpatizantes de Bolsonaro em Brasília — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Por G1


Todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do seu autor e em nada tem a participação do site RO24HORAS
Loading...